Um ano sem Facebook

 Eu nem sei como começar esse post, ainda mais depois de tanto tempo sumida desse espaço. Mas o que posso dizer? Esse foi um ano excepcional para todas (e além disso eu comecei um canal no youtube rs)!

O assunto de hoje é algo que eu já queria tratar há algum tempo. Há um ano eu tomei uma decisão que a princípio parece pouco importante, pouco interessante, mas que para a minha pessoa representou uma mudança de estilo de vida fundamental: eu deletei minha conta no Facebook. Pra falar a verdade, nunca fui uma pessoa muito interessada em redes sociais. Em 2013 excluí a plataforma pela primeira vez, com o intuito de focar no vestibular. Naquele momento o Facebook vivia possivelmente seu auge, com pouco mais de um bilhão de usuários. Se você se lembra, tudo em nossas vidas girava em torno de posts, notícias e claro, memes. Durante aquele ano eu me senti excluída e triste, porque não possuía uma conta, mas ficar longe da plataforma realmente me ajudou a focar nos estudos.

    

Em 2014 reativei meu perfil, não apenas por conta desses sentimentos, mas porque eu precisaria durante a graduação. Ao longo dos últimos 6 anos minhas necessidades na plataforma variaram entre receber anúncios da biblioteca a entregar trabalhos para um professor via Messenger (tá, isso só aconteceu uma vez, mas não deixou de ser sinal dos tempos, hahaha). 


Não é novidade alguma que redes sociais podem provocar ansiedade pelos mais variados motivos. Na grande maioria das vezes esse nervosismo tem a ver justamente com o que havia escrito ali em cima: o medo de perder uma novidade, informação e, em última instância, ser deixada de lado. Também existe uma outra razão, que é comparar sua vida com a de outras pessoas e figuras influentes. Nesses casos somos levadas a acreditar que nossas vidas não são boas, interessantes ou relevantes. 


Embora controverso, existe um consenso geral de que usar redes sociais em excesso pode fazer mal. E o Facebook certamente me fez. Era comum rolar pelo feed e me deparar com uma notícia ruim que não pedi para ler, descobrir parentes se atacando por motivos políticos ou ver um meme que de alguma forma me ofendia ou me afetava (alô alô geração snowflake). Com o tempo eu passei a ter um intenso sentimento de ansiedade até ao abrir meu celular, pois tinha certeza que haveria algo ruim me esperando na timeline. Ao mesmo tempo, tinha medo de não abrir e perder uma informação "importante" para a roda de conversa do dia.

Inicialmente eu relutei bastante em excluir a rede social pelo medo de ser deixada de lado, como havia acontecido em 2013. Mas em 2019 eu já era outra pessoa e o mundo também tinha mudado bastante. Embora as redes sociais ainda tenham uma importância fundamental (quase doentia, eu diria) em nossas vidas, o Facebook vem cada vez mais perdendo esse espaço. Dessa vez eu devo dizer que não sinto a menor falta da rede social na minha vida. Meus relacionamentos — de amizade ou familiares — continuam sólidos como uma rocha e preciso dizer, continuo atualizadíssima sobre memes. E a ansiedade? Bom essa continua aqui, mas bem mais leve. Ah, e já não tenho mais medo de feeds, uma vez que lá no meu Instagram (@luizascaglione) só tem bichos fofinhos e The Sims!


Se você leu esse post enorme até aqui muito obrigada, você é uma guerreira! Desculpe pelo monte de links, mas eu senti que precisava dar alguma visibilidade aos fatos argumentados nesse post. Por fim, quero dizer que não escrevi esse texto com a intenção de convencer ninguém a fazer nada. Ao contrário da maioria dos posts desse tipo que li por aí, acredito que cada um é dono do próprio nariz e faz o que bem entende: incluindo excluir uma rede social! Agradeço de todo o coração pela leitura e aguardo pela sua opinião aqui nos comentários! Um abraço e até a próxima!
Ilustrações por Carlos PX

11 comentários em "Um ano sem Facebook"
  1. Olha Lu, eu não sinto falta do Facebook, só uso pra divulgar os meus posts do blog e mesmo assim não tenho obtido muito resultado.
    Big Beijos,
    Lulu on the sky

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda uso facebook, gosto bastante, embora seja tóxico. Mas eu uso apenas para ver memes de gatinhos e compartilhar videos de coisas do tipo. Mas Twitter foi algo que basicamente abri mão por achar tóxico e um pouco desnecessário para a minha vida e mal uso whatsapp.
    Beijos,
    Mundo Perdido da Carol
    Instagram: @carolinsweet
    Fan Page

    ResponderExcluir
  3. Olá, Luiza.
    Eu nunca fui muito ligada em redes sociais. Uso mas isso não rege minha vida. Acho que depende de cada um mesmo. E saber usar também. O que mais uso no momento é o blog.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. É preciso saber lidar com o uso das redes sociais. Devemos utilizar sem exageros.

    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderExcluir
  5. Amei o post. Eu não consigo ficar muito tempo longe do Facebook, sinto que sempre vou perder algum acontecimento, mas ainda assim, não sinto ele sendo tóxico pra mim.
    O instagram é outro assunto, eu parei de usar faz um tempo e me sinto muito bem. Sabe aquele app que a pessoa entra e sente inútil? era eu quando usava o instagram. Mesmo que eu tenha ciência que todo mundo edita a vida lá, ainda sim parecia tudo mais brilhante e eu ficava me cobrando muito. Agora sem usar, sinto que não tenho essa necessidade de me comparar com ninguém.
    Acho que as redes sociais são extremamente ruins e mesmo sabendo disso, ainda queremos continuar fazendo parte.
    beijos
    https://www.dearlytay.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá Lu, eu acho que devemos fazer o que faz melhor para nosso coração e nossa mente independente da opinião alheia, com o passar dos anos o que menos importa são opiniões de pessoas de fora.
    Se te faz feliz ou é irrelevante continue sem o face o importante é estar bem e eu já estava com muita saudade de você aqui no blog, já vou lá conhecer seu canal pois, ainda não sabia que tinha um.
    Beijocas.


    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Lu, esses dias estava conversando na minha terapia sobre a possibilidade de excluir o WhatsApp. No momento, ele é o app que mais me deixa ansiosa. Sei que é um meio de comunicação importante nos dias atuais, mas alguns grupos eu acho tão desnecessários e me irrita saber que sair de alguns, pode causar um monte de atrito. Enfim, é uma possibilidade ou apenas permanecer em grupos que têm uma finalidade positiva para mim. E ler esse post deu uma ajudada! E realmente o Facebook acho que decaiu muito, mas só permaneço por conta de grupos de freela para o meu trabalho e gosto de ver algumas lembranças. Enfim, a gente tem que tentar fazer o que nos faz bem e colocar na balança. :)

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
  8. Boa noite tudo bem? Sou carioca e procuro novos seguidores para o meu blog. E seguirei o seu com prazer. Novos amigos também são bem vindos, não importa a distância. Sou o seguidor número 7.

    https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir
  9. Li o post até o final, obrigada, mas não me acho guerreira, pra mim foi prazeroso ler sua experiência com o distanciamento do Facebook, haha. Em 2013 eu era muito ativa no Facebook, mas já faz pelo menos uns cinco anos que a rede social só me serve para entrar nos grupos da blogosfera e fazer logins rápidos em outras plataformas e sites, haha.
    A rede que realmente me deixa ansiosa é o Instagram, mas já faz pelo menos umas três semanas que sumi da rede, e ao mesmo tempo em que me sinto livre, também fico ansiosa por que não estou postando conteúdo por lá. Mas aí eu penso que não tenho a obrigação de nada, taco o foda-s* e passo meu tempo livre fazendo algo que me deixa feliz. Um dia essa rede também vai cair, na verdade, tirando os blogs, queria que várias redes sociais fossem enterradas com o Orkut, #falomesmo
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  10. Oi Lu,
    Em dezembro de 2017 o facebook deletou minha conta sendo que a minha página tinha mais de 23.000 seguidores e o meu perfil estava beirando 5.000 amigos. eu tentei entrar em contato com a empresa, mas só recebi respostas prontas. Perdi fotos de família, e como estava perto do natal, perdi a chance de mandar cartão virtual para os amigos.
    Quando fui procurar no Google sobre contas excluídas e como recuperar, vi que o problema era imenso e bilhões de barsileiros etavam enfrentando ou tinham enfrentado o problema.
    Hoje tenho um perfil por lá só para ter contato com alguns amigos e parentes, mas todo todo o cuidado para não crescer. Vou lá, quando muito uma vez por semana e descobri que não perdi nada, na verdade me libertei!
    O facebook tomava meu tempo e não trazia retorno nenhum para o blog!
    O facebook acabou, está como estava o orkut no final. Vc é mais nova e não vai se lembrar do orkuto, mas era uma rede social ótima, até que ficou cafona, feia e só rolava tosquice por lá.
    O facebook está subexistindo pq praticamente obriga quem tem instagram a colocar as postagens por lá também.
    Toda rede social é assim: nasce, cresce e morre. O facebook já morreu, só que o Zucka (dono do face) mumificou o zumbi tentando tirar mais uma graninha por lá, pois ele já foi muito lucrativo e ele não que perder a caixinha gorda que aquilo dava.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Eu ainda possuo o Facebook mais utilizo ele de maneira esporádica,já não tenho mais aquele empolgação de antigamente para acessar.
    Ótimo post e reflexão.

    www.paginasempreto.blogspot.com.br

    Beijos

    ResponderExcluir